Os mitos que atrapalham sua carreira

Virar executivo não é a meta de todo profissional. Mas para quem chega neste ponto da carreira, por vezes, é difícil definir com clareza…

os contornos da nova função.

É a dificuldade de lidar com o poder, por um lado. Ou a necessidade de aprender novas competências, por outro. Não equalizar bem questões como estas pode levar ao fracasso no novo desafio.

José Augusto Figueiredo, presidente da LHH|DBM, já viu diversos casos desse tipo e concorda que alguns se devem a uma visão equivocada do que é ser um executivo de fato. Veja quais são os 5 mitos mais comuns neste sentido:

Mito 1 Suas habilidades atuais sempre trarão sucesso

Até agora, provavelmente, você cresceu na carreira devido a uma gama específica de habilidades que o destacaram no meio da multidão de profissionais no mercado. No entanto, daqui para frente, não há garantias de que o que funcionou no passado trará os mesmos resultados.

Em outros termos: as habilidades que trouxeram a promoção não necessariamente o manterão no cargo.

“As pessoas viram executivas porque mostraram um diferencial”, diz José Augusto Figueiredo. “Mas chega um determinado ponto da carreira que o mundo passa a requerer novas competências”.

Por exemplo, para quem assume um cargo de liderança, as habilidades técnicas continuam importantes, claro. Mas o que pesa é a capacidade de extrair o melhor dos outros para alcançar resultados.

Mito 2 Você terá toda autonomia do universo

Outra utopia que alimenta os sonhos pueris dos recém-chegados a um cargo executivo é a ideia de que a partir deste momento da carreira, será possível ter liberdade para fazer o que bem entende.

A história comprova que a vida não é assim. “Não há esta liberdade nem quando você é o dono da empresa”, diz Figueiredo. Evidentemente, o mesmo vale para quem é presidente, diretor e, claro, gerente.

Mais do que em qualquer outra fase da hierarquia, o topo exige uma capacidade “cavalar” de tecer boas negociações. Na prática, isso significa que, além de bons argumentos, o novo executivo precisará de uma dose de “desapego”.

Afinal, negociar também implica em abdicar, ceder, abrir mão em prol do bem comum. (Veja como fazer isso).

Mito 3 Neste ponto, não é permitido errar

Responsabilidade traz evidência. O que, na prática, significa uma porção de holofotes vidrados em cada milimétrica ação que você faz. Junte-se isso aos efeitos hiperbólicos que um deslize pode ter no topo e terás a explicação sobre porque, em um contexto assim, poucos querem errar.

A justificativa é compreensível, porém, ilusória. Se quanto maiores os riscos, melhores os ganhos, podemos afirmar que arriscar-se é essencial neste momento da carreira.

O ponto é que em um cenário incerto, o erro sempre será uma das probabilidades possíveis. Temer encará-lo torna-se, portanto, uma atitude paradoxal. Como manter-se no posto e dar espaço ao novo, se a sua tendência pessoal é paralisar diante do risco de errar?

Além disso, as avó já se cansaram de repetir que “é errando que se aprende”. Por isso, é fato que o erro (quando bem gerido) torna o profissional mais preparado para as próximas etapas. Ou seja, quem acumula uma trajetória consistente de tropeços e consequentes passos firmes pode ganhar, sim, pontos no mercado.

O presidente da LLH|DBM conta que até já pediram a ele a indicação de um executivo que tivesse levado uma empresa à falência. Motivo? Pelo menos assim, o tal presidente saberia o que não fazer sob hipótese alguma.

Mito 4 Ser executivo é sinônimo de ter o “rei na barriga”

A arrogância é outra armadilha que pode pôr tudo a perder para o novo executivo. “Ela afugenta as pessoas em volta, diminui o risco dele ser questionado e encostado contra a parede”, descreve Figueiredo.

Como se vê, a arrogância constrói um muro ao redor de quem dá vazão a ela. Se, por um lado, isso traz uma torta forma de proteção, por outro, o impede de ver o que está para além de si. Sem uma visão sistêmica e global, como liderar? Como apostar nos melhores percursos? Como inspirar os outros?

Mito 5 “Ter poder” é sinônimo de “ter prazer”

Um cargo no topo pode trazer status e (um certo grau de) poder. Um dos principais erros é acreditar que esta combinação é feita apenas para desaguar em você mesmo.

Quem opta por este conceito acaba focando demasiadamente em si e nutrindo um comportamento egocêntrico. “Não percebe que quando tem poder, o papel dele é proporcionar prazer aos outros”, diz Figueiredo.

Uma das bases da teoria de James Hunter, autor do best-seller “O monge e o executivo”, é a ideia de que o papel de um líder é servir aos outros – a começar por quem está abaixo dele no escalão, segundo ele disse a EXAME.com no ano passado.

Ao focar em si mesmo e usar o poder para isso, o líder perde a dimensão do outro, como diz Figueiredo. E esquece-se de um fato: o reconhecimento é produto natural do ato de servir e se importar com quem está ao seu redor. A satisfação profissional vem exatamente deste ciclo.

Fonte: exame.abril.com.br | http://abr.ai/29d1rcp

Deixe uma resposta